3 Coisas Que Aprendi


O Voo US Airways 1549 foi um voo comercial de passageiros rotineiro, que iria de Nova Iorque para Charlotte, Carolina do Norte, que, em 15 de janeiro de 2009, pousou na água do rio Hudson, adjacente a Manhattan, seis minutos após decolar do Aeroporto LaGuardia.

Enquanto ganhava altitude, o Airbus A320 atingiu um grupo de gansos-do-canadá, que resultou numa imediata perda de potência de ambos os motores. Quando o Capitão Chesley “Sully” Sullenberger entendeu que a aeronave não poderia alcançar de sua posição, logo a nordeste da ponte George Washington, nenhum campo de pouso, decidiu guiar a aeronave para sul e estabeleceu seu curso para o rio Hudson, e então pousou o avião virtualmente intacto perto do Intrepid Sea-Air-Space Museum, no centro de Manhattan. Logo após o pouso de emergência no rio, os 155 passageiros do avião parcialmente submergido e em naufrágio saíram e foram todos resgatados por embarcações próximas.

Toda a tripulação do voo 1549 foi mais tarde condecorada com a Medalha de Mestre da Guild of Air Pilots and Air Navigators. No momento da entrega das medalhas, foi dito que “Este pouso de emergência e a evacuação da aeronave, sem a perda de nenhuma vida humana, é uma conquista heróica e única da aviação”.

Desde o momento do impacto com a revoada de gansos até o pouso sobre as águas geladas do rio Hudson, foram 208 segundos de ansiedade, desespero, ponderação, reflexão. Uma espera infinita em tão pouco tempo. Passageiros enviaram mensagens de despedida para suas famílias, esposas, maridos, filhos, namoradas, amigos. Expressaram amor, agradeceram, pediram desculpas, perdiram perdão. O fim da vida era iminente.

Entre esses passageiros estava Ric Elias. Ele ocupava o assento 1D e era o único que podia falar com os comissários de bordo, que o tranquilizaram dizendo: “Está tudo bem. Devemos ter atingido um pássaro.” Ele descreveu os sentimentos e pensamentos que teve durante os 208 segundos que seriam os momentos finais de sua vida. Nesse estado de profunda reflexão, ele conseguiu extrair e determinar as 3 coisas mais importantes em sua vida.

“Quero compartilhar três coisas sobre mim que descobri naquele dia.

1 – Entendi que tudo muda em um instante. Nós temos esta lista de desejos, temos estas coisas que queremos fazer na vida, e pensei em todas as pessoas com queria falar, mas não falei, todas as cercas que queria ter consertado, todas as experiências que queria ter e que nunca tive. Quando eu pensei sobre isso depois, eu inventei um ditado, que é: “Coleciono vinhos ruins”. Porque se o vinho está a disposição e a pessoa está ali, eu vou abri-lo. Não quero adiar mais nada na vida. E aquela urgência, aquela intenção, realmente mudou a minha vida.

2 – A segunda coisa que aprendi naquele dia… E isso foi enquanto evitávamos a Ponte George Washington, o que não foi por muito – eu pensei, nossa, eu tenho um grande arrependimento. Vivi uma boa vida. Em minha própria condição humana e erros, tentei ficar melhor em tudo que tentei fazer. Mas em minha condição humana, eu também deixo meu ego controlar. E me arrependi de perder tempo em coisas desnecessárias com pessoas que são importantes. E pensei no meu relacionamento com minha mulher, com meus amigos, com as pessoas. E depois, enquanto refletia sobre isso, eu decidi eliminar a energia negativa da minha vida. Não está perfeito, mas está bem melhor. Não brigo com minha mulher há dois anos. É uma sensação ótima. Já não tento mais estar certo; eu prefiro ser feliz.

3 – A terceira coisa que aprendi; e isto é como se fosse seu relógio mental: “15, 14, 13”. Dá para ver a água vindo. Eu digo: “Por favor, exploda.” Eu não quero que isso se parta em 20 pedaços como já viram em documentários. E enquanto estávamos caindo, eu tive uma sensação de, nossa, morrer não é assustador. É como se estivéssemos nos preparando para isso por toda a vida. Mas era muito triste. Eu não queria ir; eu amo a minha vida. E aquela tristeza resumida em um pensamento, que é, eu só desejo uma coisa: eu apenas queria ver os meus filhos crescerem. Um mês depois, fui ver minha filha no teatrinho da primeira série da escola, sem muito talento artístico… (Risos) … ainda, e eu grito, eu choro, como uma criança pequena. E tudo isto fazia sentido para mim. E entendi naquele momento, ao ligar esses dois pontos, que a única coisa importante na minha vida é ser um grande pai. Sobretudo, sobretudo, o único objetivo que tenho na vida é ser um bom pai.

Foi-me dado um milagre de presente, de não morrer naquele dia. E ganhei um outro presente, que foi ser capaz de olhar no futuro e voltar e viver uma vida diferente. Desafio todos vocês que vão voar hoje, a imaginarem a mesma coisa acontecendo com o seu avião; e por favor que isso não aconteça; mas imaginem, e como vocês mudariam? O que fariam que estão esperando para fazer porque acham que vão ficar aqui para sempre? Como mudariam os seus relacionamentos e as suas energias negativas? E mais que tudo, estão sendo os melhores pais possíveis?”

Se você tivesse apenas mais 208 segundos de vida, o que você faria? O que você acha que deveria ter mudado em sua vida, em suas atitudes, em seu comportamento, em seus relacionamentos? Não seria uma boa ideia fazer essas mudanças agora mesmo?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *